0 comments on “Marca de Smartphones Wiko premiada na primeira edição dos Google Android Award”

Marca de Smartphones Wiko premiada na primeira edição dos Google Android Award

A Google acaba de atribuir à Wiko um dos prémios Google Android Award, reconhecendo a frutífera colaboração entre as duas empresas. A Wiko, fabricante europeu de smarpthones, e a Google partilham missões e valores: ambas as empresas colocam o consumidor no cerne das suas considerações e trabalham em conjunto para fazer com que os smartphones sejam acessíveis a todos.

A Wiko, que é a terceira marca mais vendida em Portugal, é das mais destacadas marcas Europeias, e mostra-se bastante activa em tempos recentes. No decorrer do Mobile World Congress de Barcelona, a tecnológica Francesa lançou diversos dispositivos, dos quais se destaca o Wiko WIM (em breve disponível na Onbit) que, com câmaras duplas, processador poderoso e construção com materiais nobres, é o mais potente e refinado Wiko de sempre.

A chave deste reconhecimento encontra-se no interesse mútuo pela democratização do acesso ao Android, o sistema operativo livre e de código aberto que foi lançado em 2007. Os smartphones eram na altura uma raridade em que os fabricantes tinham de gastar dinheiro num sistema operativo ou custear o seu próprio desenvolvimento. Por outras palavras, os smartphones não estavam ao alcance de qualquer pessoa. A Google queria alterar essa realidade, estimulando a inovação e aumentando as escolhas disponíveis aos consumidores – e conseguiu! O Android foi a solução para os fabricantes, que deixaram de ter de comprar ou desenvolver sistemas operativos para dispositivos móveis. Como resultado, os smartphones são hoje muito mais acessíveis a todos.

Nos dias que correm, mais de 24.000 equipamentos de mais de 1.300 marcas contam com Android, incluindo na Europa! O Velho Continente apresenta dezenas de empresas que desenham smartphones, tablets e dispositivos conectados que são inovadores e criativos.

O Android é o motor de crescimento para as empresas Europeias e a Google orgulha-se em apoiar os seus parceiros para inovar e fazer crescer o negócio e os empregos no setor. Por isso, no Mobile World Congress 2017, pela primeira vez, a Google decidiu promover os parceiros locais e atribuir-lhes um prémio como reconhecimento pelo seu trabalho. A Wiko é uma de nove empresas que receberam o Google Android Award durante o MWC 2017. A entrega do premio à marca francesa teve lugar no stand da Wiko e contou com a presença de Benoît Tabaka, Diretor da área de Mobile Economy da Google, que entregou o galardão a Laurent Dahan e Michel Assadourian, Presidente Fundador e CEO da Wiko, respetivamente.

“A Wiko tem imenso orgulho no prémio que recebeu das mãos da Google. Ele distingue os numerosos anos de esforço e colaboração entre as duas empresas para tornar os smartphones sempre mais acessíveis ao maior número possível de consumidores.”

 

CONSULTE AQUI TODA A GAMA WIKO NA ONBIT

slider-vertical

 

0 comments on “SSD ou HDD? Qual é a diferença?”

SSD ou HDD? Qual é a diferença?

Gosta de seu armazenamento barato e abundante, ou gosta rápido e seguro? Veja como escolher entre um disco rígido tradicional e um disco de estado sólido para o seu PC.

Até recentemente, os compradores de PC tinham muito pouca escolha sobre que tipo de armazenamento a usar no portátil ou desktop. Agora, pode configurar seu sistema com um HDD ou um SSD, ou em alguns casos ambos. Mas como escolher? Nós explicamos as diferenças entre SSDs e discos rígidos (HDD), e orientá-lo através das vantagens e desvantagens de ambos para ajudá-lo a decidir.

HDD e SSD Explicados
O disco rígido com rotação é o armazenamento tradicional num computador. Ou seja, as informações nele não “desaparecem” quando desliga o sistema, como é o caso com os dados armazenados na memoria RAM. Um disco rígido é essencialmente um prato de metal com um revestimento magnético que armazena os seus dados, por isso para aceder a um documento ou foto, uma agulha irá girar até aceder ao ficheiro pretendido.

Um SSD faz tudo o que um disco rígido faz mas sem peças a movimentar-se, os dados são armazenados em chips de memória interligados que retêm os dados mesmo quando não há energia presente. Os chips podem ser permanentemente instalados na placa-mãe do sistema (como em alguns laptops pequenos e ultraportáteis), numa placa PCI Express (liga-se numa ranhura PCIe), ou numa caixa 2.5″ que se liga com um cabo sata à placa mãe (o mais comum). Estes chips de memória são diferentes do que os que são usados mas memória USB (pendrives), e são normalmente mais rápidos e mais confiáveis. SSDs são consequentemente mais caros do que pendrives ou cartões de memoria com iguais capacidades.

Vantagens e desvantagens
Ambos os SSDs e discos rígidos fazem o mesmo trabalho: eles inicializam o sistema e armazenam os seus programas e ficheiros. Mas cada tipo de armazenamento tem seu próprio conjunto de recursos. Em que diferem e o que esperar de um ou outro?

Preço: SSDs são mais caros do que discos rígidos em termos de euro por gigabyte. Um disco rígido interno de 500GB de 2,5 ou 3,5 polegadas custam entre 45 a 50 euros, um SSD da mesma capacidade começa nos 145 euros (praticamente 3x mais). Como os discos rígidos usam tecnologia mais antiga e mais estabelecida, eles continuarão menos dispendiosos para o futuro próximo. O dinheiro que vai gastar a mais num SSD vai-se reflectir no aumento de desempenho da sua máquina.

Capacidades comuns: Unidades SSD com grandes capacidades com mais de 1TB, são raras e muito caras. É mais provável encontrar unidades entre 120GB a 1TB como unidades primárias nos sistemas. Enquanto 500GB é considerado um disco rígido “base” nos tempos que correm, o problema do preço pode empurrar para baixo as capacidades de armazenamento das máquinas equipadas com discos SSD. Os usuários de multimédia, gaming, entre outros, precisarão de muito mais armazenamento e portanto usar apenas um disco SSD não será provavelmente o suficiente.

Velocidade: Isto é onde os SSDs brilham. Um PC equipado com SSD será inicializado em menos de um minuto, e muitas vezes em apenas alguns segundos. Um disco rígido requer tempo para acelerar as especificações operacionais e continuará a ser mais lento do que um SSD durante o uso normal. Um PC ou Mac com um SSD inicia mais rápido, lança e executa aplicativos mais rapidamente e transfere arquivos mais rapidamente.

Fragmentação: Devido às suas superfícies de gravação rotativas, discos rígidos funcionam melhor com arquivos maiores que são gravados em blocos contínuos. Dessa forma, a cabeça de unidade pode iniciar e terminar sua leitura num movimento contínuo. Quando os discos rígidos começam a ficar cheios, os arquivos grandes podem se espalhar pelo disco, fazendo com que a unidade sofra com o que é chamado de fragmentação. Nos SSDs isso não acontece, os dados são armazenados em qualquer lugar. Assim, os SSDs são mais rápidos.

Durabilidade: Um SSD não tem partes móveis, por isso é mais provável manter os seus dados seguros no caso do seu computador mexer ou cair. Por ser mecânico é também mais suscetivel a avaria. Para maior durabilidade e segurança um SSD é recomendado.

Disponibilidade: Discos rígidos são mais abundantes e ainda mais usados devido ao preço e maiores capacidades de armazenagem, mas os SSDs estão se tornando cada vez mais comuns e usados principalidade como disco principal (C:) da sua máquina.

Ruído: Mesmo o mais silencioso disco rígido irá emitir um pouco de barulho quando está em uso a partir da fricção da unidade ou do braço de leitura a mover-se para trás e para a frente. Unidades de disco rígido mais rápidas irão fazer mais ruído do que aqueles que são mais lentos. SSDs praticamente não fazem barulho, já que não são mecânicos.

Resumo: Os discos rígidos (HDD) ganham no preço, na capacidade, e na disponibilidade. Os SSDs funcionam melhor se a velocidade, robustez, ruído ou fragmentação forem fatores importantes. Se não fosse pelas questões de preço e capacidade, SSDs seriam o vencedor destacado.

 

O armazenamento certo para si

Recomendamos o uso de HDDs para:
• Utilizadores multimédia entusiasmados e downloaders pesados: grandes capacidades de armazenamento serão necessários, portanto armazenar tudo em SSD ficará exageradamente caro.
• Utilizadores com baixo orçamento.
• Artes gráficas e profissionais de engenharia: editores de vídeo e fotografia desgastam o armazenamento por uso excessivo.

Recomendamos o uso de SSDs para:
• Uso portátil ou móvel: Pessoas que transportam os seu computadores em sacos ou malas, certamente vai querer a segurança extra.
• Fans da velocidade: Se precisa das coisas feitas agora, escolha um SSD para arranques rápidos e lançamentos de aplicações instantâneas.

Unidades híbridas ou sistemas com mais que uma unidade (recomendado)
Num sistema de dupla unidade ou mais, poderá instalará uma unidade SSD primária (C 🙂 para o sistema operativo e programas e adicionará um ou mais discos rígidos giratórios maiores (D: ou E 🙂 para armazenar ficheiros. Desta forma conseguirá alto desempenho no arranque da máquina e na abertura de programas e com os discos rígidos extra conseguirá grande capacidade de armazenamento sem gastar muito dinheiro.

Compras:

 

0 comments on “Depois de experimentar um teclado mecânico nunca mais voltará atrás…”

Depois de experimentar um teclado mecânico nunca mais voltará atrás…

Teclados mecânicos são fundamentalmente diferentes e mais difíceis de serem encontrados do que os convencionais. Ao contrário dos modelos que usam membranas e que normalmente acompanham os PCs, os mecânicos oferecem um mecanismo separado para cada botão, resultando em melhor feedback e mais durabilidade.

Na prática, se digita uma letra num teclado convencional, a pressão faz com que três membranas de silicone e borracha encostem umas nas outras, fechando o circuito e enviado o sinal ao computador. O maior problema é que essas camadas formam um tecido que passa por baixo de todas as teclas ao mesmo tempo, tornando a digitação mais propensa a erros.

Num teclado mecânico, por outro lado, não há perigo de o computador entender que você está pressionando a letra errada, porque cada tecla tem um conjunto de interruptor e mola próprio para enviar o sinal. O resultado é um teclado com resposta mais clara ao usuário, que minimiza erros e é muito mais durável.

Tipos de teclado mecânico

Há seis tipos de teclado mecânico, que variam conforme o tipo de mecanismo empregado em baixo de cada tecla: Cherry MX Black, Cherry MX Red, Cherry MX Brown, Cherry MX Blue, Cherry MX Green e Cherry MX Clear. Esses mecanismos se diferenciam, basicamente, pela resistência da mola e consequente força necessária para serem pressionados, sendo o modelo Black o mais suave e o Clear o mais duro.

tipos

Outro factor importante na hora de escolher o teclado mecânico ideal para é o som emitido pelas teclas. Como o sistema é baseado num mecanismo físico, o material do interruptor e a resistência da mola vão ditar o “clique” ouvido quando uma tecla é pressionada. Os tipos Cherry MX Brown são conhecidos pelo som mais alto e agudo, enquanto os Cherry MX Black são os mais silenciosos.

Teclados mecânicos são mais caros e mais procurados por gamers, a maioria deles utiliza o mecanismo Cherry MX Red, que é o mais popular entre os teclados mecânicos por proporcionar, para muitos, o equilíbrio ideal entre som, resposta de toque e resistência.

 

Todos os teclados mecânicos disponíveis na Onbit

 

Os mais vendidos:

Teclado Mecânico Nox Krom Kratos Red Switch (PT)

Teclado Ozone Strike Pro PT MX Red

Teclado Ozone Strike X30 Mechanical Cherry Mx-Red PT

Teclado Mecânico Ozone Strike Battle Spectra PT Cherry MX Red

 

A marcas mais procuradas:

 

 

 

0 comments on “Processadores AMD Ryzen e Motherboards”

Processadores AMD Ryzen e Motherboards

A AMD prometeu lançar oficialmente os primeiros processadores Ryzen 7 em 2 de março e assim o fez. Mas não foi só isso: a companhia aproveitou a ocasião para dar as previsões de lançamento dos chips Ryzen 5 e Ryzen 3, que disputarão espaço com as linhas Intel Core i5 e Core i3, respectivamente.

Os processadores Ryzen 5 chegarão no segundo trimestre, inicialmente, em dois modelos. Um deles é o Ryzen 5 1600X, que terá seis núcleos com 12 threads, clock de 3,6 GHz (4 GHz em modo boost) e TDP de 95 W. O segundo é o Ryzen 5 1500X, um quad-core com oito threads, frequência de 3,5 GHz (3,7 GHz em boost) e TDP de 65 W.

Novamente, a AMD vem com a promessa de mais desempenho que os processadores equivalentes da Intel. Dando um exemplo, a companhia afirma que o Ryzen 5 1600X superou o Intel Core i5 7600K em mais de 60% dos testes de multithread. Mas continua a valer a pena esperar por testes independentes, é claro.

De frisar que os dois processadores Ryzen 5 sairão de fábrica acompanhados do novo cooler Wraith Spire (na linha Ryzen 7, o componente só acompanha o modelo 1700).

Como já ficou claro, a linha Ryzen 3 chegará por último. A AMD só pretende lançá-la no segundo semestre. As especificações ainda não foram lançadas, mas podemos esperar por chips com quatro núcleos e a mesma quantidade de threads.

Ryzen 7 e os jogos

Com o lançamento oficial da linha Ryzen 7, testes independentes dos chips 1800X, 1700X e 1700 começaram a ser divulgados. De modo geral, sites especializados, como Tom’s Hardware, relatam que esses processadores têm bom desempenho e se saem bem nos benchmarks, por outro lado, não tiveram resultados superiores às CPUs da Intel nos jogos, principalmente com relação a jogos mais recentes.

 

Processadores AMD Ryzen na ONBIT

Motherboards compatíveis na Onbit

 

image_10s

0 comments on “A sua impressora HP não reconhece tinteiros compatíveis ou reciclados?”

A sua impressora HP não reconhece tinteiros compatíveis ou reciclados?

Se a sua impressora HP usa os tinteiros 950, 951 ou 932, 933 ou ainda 934, 935 é possível que de um momento para o outro tenha começado a rejeitar tinteiros compatíveis. Ou até mesmo nunca tenha reconhecido no caso da compra da impressora ter sido recente.

Isto acontece devido a uma actualização automática de software e firmware lançada pela HP que entre outras coisas faz com que a sua impressora não aceite mais tinteiros não originais HP.

Tendo em conta que esta atualização automática foi feita sem conhecimento dos utilizadores, originou muita indignação por parte de vários clientes que pretendem continuar a usar os tinteiros que querem e por isso a HP disponibilizou na sua página de suporte a possibilidade do utilizador voltar a colar a sua impressora no estado que estava, ou seja fazer uma reversão da atualização do firmware.

O que fazer?

1 – Aceder à pagina de suporte da HP

2 – Na barra de pesquisa coloque o modelo da sua impressora: Exemplo:  Officejet Pro 6830

3 – Nas opções apresentadas seleccione “software e drivers” e de seguida “ir directamente para a página de software e drivers”

4 – Seleccione a opção “Firmware” no menu horizontal em baixo e escolha uma versão de firmware com data de Outubro de 2016 ou anterior. Exemplo: versão 1640A de 12 de Outubro de 2016.

5 – Faça download com opção “download apenas” guarde e execute o ficheiro seguindo as suas instruções. Antes de executar o ficheiro a impressora deve estar ligada e conectada ao seu PC.

Se tudo correr normalmente, no final a sua impressora volta a ficar como estava e a reconhecer tinteiros não originais.

 

Comprar tinteiros HP compatíveis

Comprar tinteiros HP originais

0 comments on “É assim que o Game Mode do Windows 10 vai acelerar seus jogos”

É assim que o Game Mode do Windows 10 vai acelerar seus jogos

Uma atualização para o Windows 10, chamada Creatores Update, será lançada nos próximos meses com foco no conteúdo 3D e em jogos. Um dos novos recursos se chama Game Mode, e promete aumentar o desempenho de títulos para PC. Durante a Game Developers Conference, a Microsoft explicou como isso funciona.
Segundo o Ars Technica, o Windows normalmente considera um jogo como apenas um processo entre muitos outros. Com o Game Mode, o sistema dedica recursos do CPU exclusivamente para esse processo do jogo, e faz a placa de vídeo (ou chip gráfico) dar o máximo de atenção possível para ele também.

O Game Mode aloca a maioria dos núcleos do processador exclusivamente para o jogo, melhorando o desempenho. Por exemplo, se seu CPU tem oito núcleos, seis deles poderiam ser dedicados ao jogo, dependendo dos outros processos em execução.

Além disso, o Game Mode aumenta ainda mais a prioridade para jogos acessarem a GPU, e permite que eles mantenham mais dados na memória da placa de vídeo (ou chip gráfico), para um desempenho mais fluido e maior nível de detalhes.

É o usuário quem decide se o Game Mode será ativado ou não, mas os desenvolvedores podem embutir uma função que analisa o sistema e decide se vale a pena ativar esse recurso por padrão.

 

Desde Janeiro é possível testar o Game Mode se for um utilizador do Windows 10 no programa insider. (É preciso ter a build 15019 ou superior.) Ative o recurso abrindo um jogo, pressionando Windows + G, clicando em Configurações e depois em “Usar Game Mode”.

O Creators Update deve ser lançado para todos os usuários do Windows 10 no primeiro semestre.